expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

ROSEANA PLANEJA FUGIR DO BRASIL NA MADRUGADA DE QUARTA-FEIRA

A governadora Roseana Sarney poderá deixar São Luís na madrugada desta quarta-feira com destino ao Estados Unidos acompanhada de alguns familiares. A informação é de uma fonte bem situada no meio empresarial e com trânsito na família da ainda governadora.
 
 Segundo comentários ouvidos há pouco e confirmados por três parlamentares, ela deixará a carta de renúncia nas mãos do presidente da Assembleia, Arnaldo Mello, com o compromisso de só ser divulgada a partir das 8 horas de amanhã, quando ela já estiver bem longe.


Roseana Sarney teria sido advertida por seus advogados da possibilidade de ter contra si um pedido de prisão, tão logo seja anunciada a sua renúncia ao cargo de governadora.  Com a renúncia o processo em que ela é investigada sai da alçada do STJ, por ter foro privilegiado como governadora, e cai nas mãos da força tarefa da Justiça Federal do Paraná. “É iminente a prisão da Roseana Sarney ou determinação judicial para que ela não saia do país”, garante um advogado consultado há pouco pelo blog Marrapá.


Teria sido dos advogados e do próprio pai da governadora, José Sarney, a montagem de um verdadeiro plano de fuga de Roseana Sarney. O empresário Mauro Fecury cedeu o jatinho que conduzirá Roseana na rota para os Estados Unidos.


Roseana chegou a anunciar a renúncia para a tarde desta terça, mas mudou de ideia e informou que o fará amanhã pela  manhã. De fato, dizem as fontes, ela fará, mas só que através de um lacônico ofício dirigido ao presidente da Assembleia. Em poucas palavras, ela dirá apenas que “nesta data renuncia ao cargo de governadora do estado do Maranhão”.


Mais informações ainda hoje e cobertura direto do aeroporto a partir da meia noite.

Fonte: Blog Marrapá

ROSEANA SARNEY CONFIRMA RENÚNCIA AO CARGO DE GOVERNADORA DO MA

Primeira mulher eleita para governar um estado brasileiro, Roseana Sarney Murad deixará o cargo de governadora do Maranhão na manhã desta quarta-feira (10). De acordo com informações de autoridades que estiverem presentes em uma reunião no início da noite de hoje (9), no Palácio dos Leões, sede do Governo do estado, a governadora renunciará ao cargo ainda no início da manhã, entre 8h30 e 9h.

Com o seu afastamento, quem assume o cargo é o presidente da Assembléia Legislativa do Maranhão, o deputado estadual Arnaldo Melo (PMDB). Isso acontece porque Washington Luiz, que era vice-governador, deixou o cargo em novembro do ano passado para assumir uma vaga como conselheiro do Tribunal de Contas do Maranhão.

A decisão de Roseana contradiz a um pronunciamento feito por ela própria, em janeiro, quando anunciou que não disputaria uma eventual eleição ao Senado e permaneceria no cargo até o fim de seu mandato, em 31 de dezembro.
“Vou ficar porque quero terminar o que iniciei. Quero terminar as ações do governo e deixar aqui cumprido o compromisso que tive com o povo ao me eleger para este mandato. Vou me empenhar para fazer o melhor governo de minha vida. Por isso tomei esta decisão”, disse à época.
Roseana Sarney disse que

A aposentadoria da governadora já havia sido antecipada em pelo menos duas oportunidades. A primeira em entrevista ao colunista Gerson Camarotti, quando disse que deixaria a vida pública e não concorrerá mais a cargos eletivos. A última aconteceu no dia 5 de outubro, durante o 1º turno das eleições.

“Não vou largar a política. Não quero mais exercer nenhum cargo público e não participaria de nenhuma eleição, mas vou participar da política como cidadã. Isso também é fazer política, por todo o meu envolvimento com o Maranhão. Considero minha carreira vitoriosa e vou me dedicar um pouco mais à minha família”.

Roseana candidatou-se pela primeira vez a um cargo eletivo em 1990, quando foi eleita deputada federal pelo então PFL. Em 1994, foi eleita pela primeira vez governadora do Maranhão. Em 1998, foi reeleita governadora, a primeira mulher a se reeleger ao cargo. Em 2002, elegeu-se senadora. Em 2006, foi candidata pela terceira vez ao governo do Maranhão, mas perdeu para Jackson Lago. Mas após a cassação de Lago, em 2009, assumiu o Governo do Estado, sendo reeleita no ano seguinte.
Fonte: G1 Maranhão

terça-feira, 2 de setembro de 2014

DIVULGADA MAIS UMA PESQUISA DE INTENÇÃO DE VOTOS PARA GOVERNADOR DO MARANHÃO

A um mês da eleição, Flávio Dino mantém vantagem de 30 pontos nas pesquisas

Divulgada hoje mais uma pesquisa Exata/TV Guará/Fiema e os dados confirmam o que as últimas pesquisas vêm apurando: a vitória do candidato da coligação Todos Pelo Maranhão Flávio Dino com 55% dos votos. A última pesquisa Exata foi divulgada no dia 16 de agosto e já mostrava Flávio Dino na liderança com 30 pontos de vantagem.

O candidato apoiado pelo grupo Sarney, o suplente de senador Edinho Lobão (PMDB), aparece em segundo lugar, com 25% dos votos. Mesmo com o início do programa eleitoral, Edinho não conseguiu subir em relação à última pesquisa. Seus programas estão repercutindo mal nas redes sociais e propostas como o Alô Doutor estão sendo classificadas pela população como absurdas.
O candidatos Zéluis Lago aparece com 2% das intenções de voto. Saulo Arcângelli, Antônio Pedrosa e Prof. Josivaldo pontuaram 1%. A quantidade de eleitores na seção de votos nulos e brancos soma 8%. Os eleitores que não sabem ou não responderam, pontuam 7%.
A sondagem foi realizada entre os dias 23 e 28 de agosto, quando foram ouvidas 1.400 pessoas em 45 municípios maranhenses escolhidos aleatoriamente, mas contemplando as quatro regiões do estado e a ilha de São Luís. A margem de erro da pesquisa é de 3,2 pontos percentuais para mais ou para menos, com nível de confiança de 95%. A pesquisa avaliou as intenções de voto para governador e senador, sob o protocolo MA – 00038/2014. Também foi observada a intenção de voto para presidente da República, com registro no Tribunal Superior Eleitoral com o número BR – 00482/2014.
Fonte: Maranhão da Gente

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

DILMA E MARINA CONCENTRAM DUELOS EM SEGUNDO DEBATE ENTRE PRESIDENCIÁVEIS

Dilma Rousseff (PT) e Marina Silva (PSB) concentraram nesta segunda-feira os principais duelos no segundo debate entre os candidatos à Presidência da República.
Enquanto Dilma e Marina, empatadas na liderança das intenções de voto nas pesquisas, travaram os principais confrontos, Aécio Neves (PSDB), agora numa distante terceira posição, concentrou seus ataques à presidente.

Por conta das regras do encontro realizado por SBT, Jovem Pan, UOL e Folha de S. Paulo, não duelou diretamente com Marina nenhuma vez.

Já na primeira pergunta do debate, Dilma atacou a proposta de política econômica de Marina, afirmando que ela geraria desemprego e recessão, e seu discurso sobre governabilidade.

"Quem escolhe os bons não somos nós presidentes, é o povo brasileiro", disse Dilma em resposta ao discurso de Marina de que, se eleita, governará com os melhores no Congresso Nacional.

Marina, por sua vez, fez ataques duros à gestão da Petrobras e à polìtica econômica de Dilma e repetiu que a presidente não reconhece os problemas.
"A estabilidade econômica foi uma conquista da sociedade brasileira que, infelizmente, foi negligenciado no governo da presidente Dilma", disse a candidata do PSB.

Aécio, por sua vez, disse mais uma vez que o governo Dilma fracassou e que ele representa uma mudança segura.

"A nossa mudança é uma mudança consistente", garantiu o tucano, acrescentando que não se "converteu" a posições diferentes do que defende há décadas, numa alusão ao histórico político de Marina, que durante muitos anos foi do PT.

domingo, 31 de agosto de 2014

FLAVIO DINO AMPLIA DIFERENÇA SOBRE LOBÃO FILHO APÓS INÍCIO DO HORÁRIO ELEITORAL

Flavio Dino (PC do B) tem 57,8% contra 23,1% de Lobão Filho (PMDB)

140830-fd-multidao
Após o início do horário eleitoral nas emissoras de rádio e televisão, o candidato da coligação Todos Pelo Maranhão, Flávio Dino, abriu 35 pontos de diferença sobre o segundo colocado. Flávio possui 57,8% das intenções de voto, contra 23,1% do candidato da família Sarney, Edinho Lobão. Dos demais candidatos, Zéluis Lago pontuou 1%; Josivaldo teve 0,9%; Pedrosa, 0,4%; e Saulo Arcangeli, 0,3%. Cerca de 10% pretendem votar em branco e nulo. Somente 6,4% dos eleitores estão indecisos.
A pesquisa Data-M/Atos e Fatos ouviu 1.500 pessoas, entre os dias 21 a 24 de agosto. A pesquisa foi registrada no TRE sob a inscrição 037/2014. A margem de erro do questionário é de 3 pontos para mais ou menos.
Na pesquisa espontânea – quando o eleitor é perguntado em quem vai votar, mas não é apresentado a ele o nome dos candidatos –, Flávio Dino pontua 42%. No mesmo sistema, Edinho Lobão tem 15%. Quando perguntado sobre quem o eleitor acha que vai ganhar, 59% dos eleitores responde que será Flávio.
Já quando perguntado sobre em quem não votaria de forma alguma, 44% dos eleitores dizem rejeitar Edinho Lobão. Já 13% não votariam em Flávio Dino e 8% em Pedrosa.
140830-datam
Roberto Rocha lidera no Senado
Na pesquisa de intenção de votos para o Senado, o candidato da coligação Todos Pelo Maranhão também lidera. Roberto Rocha tem 29% das intenções de votos contra 20% de Gastão Vieira. Haroldo Sabóia, do PSOL, tem 5,6%; Marcos Silva (PSTU) tem 4%. Branco e nulo somam 24%.
Na campanha para o Senado, o campeão de rejeição também é o candidato da família Sarney, Gastão Vieira, com 17%. Ele é seguido por Saboia, com 11% e Rocha, com 9%.
Fonte: Jornal Pequeno

SEGUNDO SONDAGENS ELEITORAIS DESEJO DOS BRASILEIROS É DE MUDANÇA

Pesquisa mostra que o Maranhão e outros estados indicam troca de governo. Sondagens eleitorais apontam para o fim do clã Sarney no Maranhão e para o renascimento do carlismo na Bahia


O desejo de mudanças, que eclodiu nas manifestações de rua de junho do ano passado, se mostra uma tendência nas eleições para os governos estaduais. Na maior parte das unidades da Federação, os partidos que elegeram governantes em 2010 estão sendo derrotados no pleito deste ano, baseado nas pesquisas recentemente divulgadas. Isso ocorre mesmo nos casos em que o atual governador já se reelegeu, mas dificilmente conseguirá emplacar um sucessor.

Curiosamente, a disputa deste ano pode ver o sepultamento de uma dinastia e o renascimento de um movimento político ligado a um clã que se imaginava extinto. No Maranhão, após o término do segundo mandato de Roseana — e a desistência dela em concorrer ao Senado —, o clã Sarney parece estar com os dias contados. Escolhido como sucessor, o peemedebista Edison Lobão Filho está bem atrás de Flávio Dino (PCdoB), que, se eleito, deve pôr um fim a uma hegemonia quase ininterrupta de mais de 50 anos, exceção feita a 2006, quando o pedetista Jackson Lago elegeu-se governador, mas foi cassado em 2009.

Já na Bahia, o carlismo está renascendo. Já havia dado sinais de vitalidade em 2012, quando Antonio Carlos Magalhães Neto, o ACM Neto, foi eleito prefeito de Salvador, contrapondo-se ao argumento de que a disnatia não sobrevive nos meios urbanos, por ser um estilo político entranhado nas classes mais populares. ACM Neto, que coordena a campanha presidencial de Aécio Neves na Bahia, caminha para eleger Geddel Vieira Lima (PMDB) ao Senado e Paulo Souto como governador, encerrando um ciclo de oito anos do PT no poder estadual.

Das 27 unidades da Federação, incluindo o Distrito Federal, 22 terão, a se manter as pesquisas divulgadas até o momento, troca nos partidos que darão as cartas na administração local daqui por diante. Em apenas cinco delas — Goiás, São Paulo, Paraná, Acre e Rondônia — as mesmas legendas podem continuar no poder. Nos três primeiros casos, o partido é o PSDB. No Acre, o PT e em Rondônia, o PMDB.


No cenário nacional não é diferente, a presidente Dilma Rousseff, segundo as ultimas sondagens não conseguirá se reeleger. A candidata Marina Silva (PSB) está liderando nas pesquisas de segundo turno. 

As manifestações do ano passado aliado a uma série de denuncias de corrupção no governo Dilma e de integrantes do PT, partido da presidente, é um dos principais fatores para que os brasileiros esteja mudando suas opiniões com relação ao governo. 

Fonte: O imparcial até o antepenultimo paragrafo

quinta-feira, 14 de agosto de 2014

FALSA PESQUISA DE EMPATE TÉCNICO ENTRE FLÁVIO DINO E EDINHO LOBÃO SE ESPALHA NA REDE



Empate entre Flávio e Edinho? Só com pergunta manipulada!
A coordenação de campanha do candidato Edinho Lobão disparou um texto ontem publicado por alguns blogs e muito mais espalhado por meio do Whatsapp, indicando uma pesquisa que indicaria suposto empate entre os candidatos Flávio Dino (PCdoB) e Edinho Lobão (PMDB). O texto espalhado por Edinho dá a entender que existe uma nova pesquisa Econométrica na qual os candidatos aparecem empatados tecnicamente.


Em nenhum momento o texto que fala em “desespero da oposição”, “ataque à família”, diz que, na verdade, os números são relativos à pesquisa encomendado pelo jornal O Imparcial divulgada há uma semana e meia, sob o registro nº 0029/2014. Outra inverdade publicada por blogueiros desavisados é que Flávio Dino perdeu a questão no Tribunal Superior Eleitoral para barrar a pesquisa.


A juíza eleitoral do Maranhão, Alice de Sousa Rocha, concedeu liminar permitindo a divulgação dos dados manipulados que haviam sido barrados. A pergunta que liga Edinho a Dilma e Lula e Flávio Dino a Aécio Neves, Fernando Henrique Cardoso e José Serra. A divulgação do número citando “empate” sem citar que isso ocorre apenas com esta pergunta é uma ilegalidade.


Como o horário eleitoral ainda não iniciou, a maioria do eleitorado maranhense sequer conhece Aécio Neves. Por isso, a pergunta teve que associar Flávio a Fernando Henrique e José Serra que possuem maior rejeição no Maranhão, para puxar os números só comunista pra baixo. 


A decisão da magistrada é curiosa. Afinal, que é para que serve uma liminar?  A liminar é uma decisão provisória em caráter de urgência que deve ser tomada quando um direito imediatamente está ameaçado e existe o risco de dano irreparável. Mas qual a urgência da decisão e o dano irreparável, uma vez que o “time” da pesquisa já havia passado. Para divulgar mais de uma semana depois, o efeito é o mesmo para até o julgamento do mérito. 



quarta-feira, 13 de agosto de 2014

JUSTIÇA SUSPENDE PAGAMENTO DE PRECATÓRIO À CONSTRUTORA NO MARANHÃO


Decisão foi anunciada depois de denúncia de suborno feita por Meire Póza, que era contadora do doleiro Alberto Yousseff.

A Justiça do Maranhão determinou que o Estado suspenda o pagamento de um precatório a uma construtora. Um precatório é uma dívida de um governo, reconhecida pela Justiça. Essa decisão foi anunciada depois de uma denúncia de suborno feita por Meire Póza, que era contadora do doleiro Alberto Yousseff, um dos presos na Operação Lava-Jato da Polícia Federal.


O depoimento de Meire Poza à Polícia Federal foi enviada nesta terça-feira (12) pela Justiça Federal do Paraná ao Superior Tribunal de Justiça. O STJ é o responsável por analisar denúncias envolvendo governadores.


E também nesta terça (12), o Tribunal de Justiça do Maranhão suspendeu o pagamento do precatório do governo estadual à Constran, com isso nenhuma parcela poderá ser repassada pelo governo maranhense até que haja uma decisão definitiva do Tribunal. A juíza Luiza Nepomucena alegou que a medida é necessária para a garantia da proteção do patrimônio público e da moralidade administrativa, e também pediu cópia, à Polícia Federal, das investigações sobre o suposto acordo do precatório. A decisão foi tomada um dia depois da reportagem do Jornal Nacional que mostrou o depoimento da contadora. Segundo ela, a construtora Constran pediu que o doleiro Alberto Yousseff subornasse o governo do Maranhão, oferecendo R$ 6 milhões. Em troca, a empresa furaria a fila de pagamentos judiciais e receberia, antecipadamente, R$ 120 milhões em precatórios. Ainda segundo a contadora, por ter negociado o acordo, Yousseff receberia R$ 12 milhões.

Ela também disse que o acordo teve a participação de pessoas da alta administração do governo do Maranhão. Segundo o portal da transparência do Governo Estadual, já foram liberados R$ 33 milhões desse precatório à Constran.


Em nota, a empresa afirmou que celebrou, de forma transparente, um acordo com o governo do Maranhão para receber por uma obra realizada em 1988. E que não 'furou a fila' dos precatórios. A Constran declarou ainda que não contratou Youssef para fazer consultoria ou negociar esse precatório.


Mas trocas de e-mails já reveladas em relatórios da Polícia Federal mostram o diretor da UTC Walmir Pinheiro, empresa que controla a Constran, comemorando um acerto com Youssef - que, segundo os investigadores, é apelidado de primo - e o diretor Augusto Cesar Pinheiro, da Constran.


Walmir diz: "Augusto e primo, parabéns pela concretização do acordo com o governo do Maranhão. Sei perfeitamente o quanto foi duro fechar esta operação".


A Constran foi questionada sobre o e-mail. Respondeu que não tem nada a acrescentar.

Nesta terça-feira, antes de saber da decisão da Justiça que suspendeu o pagamento do precatório, a governador Roseana Sarney negou todas as acusações. E disse que os pagamentos judiciais foram feitos de forma legal.


“Eu estou indignada e revoltada com a inclusão do meu governo nesse processo. Nós só fizemos o que a Justiça mandou e com a anuência do Ministério Público. E decisão judicial a gente não discute, a gente cumpre”, afirma a governadora do Maranhão Roseana Sarney.

As declarações de Meire Poza sobre o esquema do doleiro com políticos e empresas agora serão dadas no Congresso. Nesta quarta-feira (13), ela será ouvida no Conselho de Ética da Câmara no processo que investiga a ligação do deputado Luiz Argolo, do Solidariedade da Bahia, com Alberto Yousseff.


No depoimento prestado à Polícia Federal, a contadora Meire Póza afirmou que a procuradora-geral do Maranhão, Helena Maria Cavalcanti Haickel, o então chefe da Casa Civil, João Guilherme de Abreu, e o secretário de planejamento do Estado, João Bringél, participaram de uma reunião, em setembro do ano passado, para combinar detalhes da liberação de pagamentos judiciais.


Em notas, enviadas nesta terça-feira (12) ao Jornal Nacional, os três citados pela contadora declararam que não tiveram conhecimento, nem participaram de qualquer ato ilícito.

Fonte: Jornal Nacional